Logo Câmara Municipal do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 22 de Setembro de 2019
Fotos Câmara Municipal
Mapa do Site | Glossário Acessibilidade
esqueceu senha Preciso de ajuda
xxxxxxx

Comunicação

HomeComunicaçãoNotícias e Avisosdetalhes

Notícias e Avisos - detalhes

CPI das Enchentes: secretário municipal de meio ambiente diz que trabalha para ampliar receita da pasta

 

 

 

 

Foto: ASCOM

30/08/2019

O secretário municipal de Meio Ambiente, Marcelo Queiroz, participou, nessa quinta-feira (29), da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada para investigar as consequências dos temporais que atingiram a cidade do Rio de Janeiro em fevereiro de 2019. Presidida pelo vereador Tarcísio Motta (PSOL), a comissão interrogou o secretário sobre as prioridades da gestão, a situação orçamentária da pasta e a atuação, em casos de emergência durante chuvas fortes, na recuperação da faixa marginal de rios e no reflorestamento da cidade, entre outros temas.


Como destaque da pasta, o secretário apontou o Programa Conservando Rios, que tem como objetivo reduzir as ocorrências de enchentes causadas pelo acúmulo de lixo. No momento, o programa conta com 31 frentes de trabalho e um pouco mais de 300 profissionais. Cerca de 69 mil km de extensão de rios já foram beneficiados. Para Queiroz, o grande desafio da secretaria é atrair recursos federais e convênios. Uma das prioridades é o reflorestamento da Zona Oeste da cidade. Hoje, o orçamento da pasta é de R$ 28 milhões.


Apontando a necessidade de ampliação de programas voltados à educação ambiental e de uma maior integração com os moradores das comunidades, Tarcísio Motta afirmou ser insuficiente os 69 mil km de extensão de rios beneficiados pelo Programa Conservando Rios. O parlamentar reforçou ainda a importância de uma aproximação maior da Prefeitura do Rio com o meio acadêmico. "É muito grave uma cidade não ter um espaço de estudos sobre fenômenos meteorológicos quando as chuvas matam pessoas todos os anos", afirmou.


Membro da CPI, Rosa Fernandes (MDB) cobrou da Secretaria de Meio Ambiente o envio de informações sobre a compensação ambiental à comissão. "Precisamos do relatório de todas as compensações ambientais de 2019, com suas aplicações. Não abro mão disso", ressaltou a parlamentar. Rosa Fernandes lembrou também o papel da CPI das Enchentes, que está se propondo a levantar pontos relevantes que se referem à cidade do Rio para que os recursos orçamentários possam ser aplicados de forma mais eficiente.


O relator da CPI, Renato Cinco (PSOL), quis saber os planos da Prefeitura em relação à mudança climática. "Ela se acelera no mundo e sabemos que, já no próximo verão, teremos um aumento de 4 graus na temperatura", disse. Cinco criticou, ainda, a proposta de instalação de um autódromo em Deodoro, o que acarretaria no corte de 200 mil árvores da Floresta do Camboatá. Teresa Bergher (PSDB), suplente da comissão, lembrou que, até hoje, não há um plano de saneamento básico que atenda, de fato, as comunidades. Ela declarou que é preciso ter investimentos em educação ambiental, que pode prevenir uma série de graves situações.


No fim da reunião, o presidente da CPI mostrou-se preocupado com alguns pontos, como a descontinuidade administrativa da Secretaria de Meio Ambiente, que, durante um tempo, passou a ser subsecretaria na atual gestão municipal. Tarcísio Motta indicou também a insuficiência dos recursos orçamentários.  "O orçamento precisa ser ampliado para atender às necessidades e os desafios da cidade do Rio de Janeiro", concluiu.


O vereador Prof.Célio Lupparelli (DEM) participou também da audiência.


voltar topo

enviar por email gerar pdf imprimir   

ícone

Câmara Municipal do Rio de Janeiro
Palácio Pedro Ernesto
Praça Floriano, s/nº - Cinelândia - Cep: 20031-050
Tel.: (21) 3814-2121 | e-c@mara:

©2011 Câmara Municipal do Rio de Janeiro créditos estatísticas

Câmara Municipal do Rio de Janeiro
Palácio Pedro Ernesto
Praça Floriano, s/nº - Cinelândia - Cep: 20031-050
Tel.: (21) 3814-2121 | e-c@mara: