Logo Câmara Municipal do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 26 de Junho de 2019
Fotos Câmara Municipal
Mapa do Site | Glossário Acessibilidade
esqueceu senha Preciso de ajuda
xxxxxxx

Comunicação

HomeComunicaçãoNotícias e Avisosdetalhes

Notícias e Avisos - detalhes

Gerente, diretor e superintende depõem na CPI da Comlurb

 

 

 

 

Foto: ASCOM

09/05/2019

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro para investigar denúncias de utilização da máquina pública pelo prefeito Marcelo Crivella, em especial da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb), para eleger seu filho e mais dois candidatos de seu partido, realizou a oitiva de três funcionários da companhia na tarde dessa quarta-feira (8).  Depuseram o superintendente-regional norte, Luis Guilherme Osório Gomes, o diretor de gente e conectividade, André Magalhães de Andrade, e o ex-gerente de Vigário Geral, Dener de Souza.


Dener afirmou que foi convidado por Luis Guilherme para participar de um evento da Prefeitura na quadra da Escola de Samba Estácio de Sá, no dia 13 de setembro de 2018, com a presença do prefeito e do presidente da Comlurb, acreditando tratar-se de uma reunião cujo tema seria assuntos de interesse da companhia. Mas que chegando lá, ficou decepcionado por tratar-se de evento político-eleitoral. O gerente disse ainda que foi ele mesmo quem autorizou a utilização de um ônibus para levar cerca de dez pessoas, tendo sido advertido por escrito pela utilização indevida da viatura.


Luis Guilherme afirmou, por sua vez, que não fez convite a ninguém. Que apenas repassou a informação que recebera informalmente do diretor da empresa, Paulo Gustavo Moraes Mangueira, de que haveria um evento político com o prefeito, aberto a quem quisesse ir, no qual candidatos apresentariam suas plataformas, tendo comparecido como um cidadão comum. Neste momento, os membros da comissão apontaram uma contradição entre os depoimentos.


"Há aqui uma contradição que precisa ser esclarecida. Vários de seus gerentes disseram ter sido enganados ao serem convidados pelo senhor para uma reunião com o prefeito, mas que, chegando lá, tratava-se de evento eleitoral. O senhor convidou ou não seus subordinados dizendo a eles que seria uma reunião de interesse da empresa?",   indagou a presidente da CPI, Teresa Bergher (PSDB). Luis respondeu que apenas repassou a informação que recebera, sem tom de convite ou convocação, e que deve ter havido erro de interpretação de seus gerentes.


Questionado como foi e voltou do evento, Luis Guilherme afirmou que foi em seu carro funcional até o metrô e seguiu a pé até o local, e que depois foi embora de carona com um amigo. Teresa Bergher contestou, dizendo que há registros de que o carro designado para utilização do superintendente ficou estacionado nas redondezas durante todo o evento; o que ele negou reiteradamente. Quando foi perguntado sobre a presença de subordinados no evento, Luis Guilherme não quis responder, dizendo que só se lembrava das pessoas já convocadas pela CPI.


Teresa quis saber ainda de Luis Guilherme se ele tinha autorizado seus subordinados a utilizarem veículos para levar funcionários ao encontro com Crivella. O superintendente afirmou que não, sendo esse um dos motivos pelos quais dez gerentes foram punidos com advertência verbal. Teresa indagou se ele achava justa a punição desses gerentes enquanto gestores foram inocentados, Luis disse que a decisão coube a um conselho específico da empresa, constituído para essa finalidade, não tendo participado do processo, não cabendo a ele, portanto, julgar a decisão.


André Magalhães foi questionado sobre por que sua diretoria não atendeu a um pedido de informação da CPI, protocolado há mais de dois meses. O depoente respondeu que tramitou o processo, mas não sabia a razão pela qual o mesmo não foi enviado à Casa. O diretor se comprometeu a entregar as respostas assim que retornasse à companhia.


Os membros da comissão perguntaram sobre a rotina dos funcionários, horários de expedientes, pagamento de horas extras e se Rivaldo Irineu da Silva pertencia aos quadros da empresa. André afirmou que não. Que embora Irineu tenha sido designado para o cargo de Assistente III, o mesmo não apresentou a documentação, não tendo sido empregado na companhia.


Por fim, os parlamentares fizeram considerações sobre a Comlurb, deliberando convocar Rivaldo Irineu da Silva para prestar depoimento. Além da presidente, a CPI é composta pelos vereadores Thiago K. Ribeiro (MDB), relator; os membros Tiãozinho do Jacaré (PRB), Inaldo Silva (PRB) e Prof. Célio Lupparelli (DEM). O vereador Paulo Pinheiro (PSOL) é suplente. Todos participaram do encontro.


voltar topo

enviar por email gerar pdf imprimir   

ícone

Câmara Municipal do Rio de Janeiro
Palácio Pedro Ernesto
Praça Floriano, s/nº - Cinelândia - Cep: 20031-050
Tel.: (21) 3814-2121 | e-c@mara:

©2011 Câmara Municipal do Rio de Janeiro créditos estatísticas

Câmara Municipal do Rio de Janeiro
Palácio Pedro Ernesto
Praça Floriano, s/nº - Cinelândia - Cep: 20031-050
Tel.: (21) 3814-2121 | e-c@mara: