Logo Câmara Municipal do Rio de Janeiro Rio de Janeiro, 13 de Dezembro de 2018
Fotos Câmara Municipal
Mapa do Site | Glossário Acessibilidade
esqueceu senha Preciso de ajuda
xxxxxxx

Comunicação

HomeComunicaçãoNotícias e Avisosdetalhes

Notícias e Avisos - detalhes

Debate: Alta taxa de mortalidade materna

 

 

 

 

Foto: ASCOM

03/12/2018

A vereadora Luciana Novaes (PT), presidente da Comissão de Defesa da Mulher, realizou reunião com o Conselho dos Direitos da Mulher da Cidade do Rio de Janeiro - CODIM-Rio, nessa sexta-feira (30), para discutir a taxa de mortalidade durante o parto. A comissão alerta para o elevado índice de vítimas e para a desigualdade existente na cidade.


A parlamentar declarou que o CODIM-RIo precisa ser fortalecido e que a defesa da mulher é um tema que deve ser intensificado na Câmara do Rio. "Essa reunião será a primeira de muitas que iremos trazer para dentro da Casa. O tema era muito debatido pela vereadora Marielle Franco. Ela é uma mulher insubstituível, mas é motivo de muito orgulho poder dar continuidade à luta dela", afirmou.


De acordo com a subsecretária municipal de Políticas para a Mulher e presidente do CODIM-Rio, Comba Marques Porto, o Conselho é formado paritariamente por representantes governamentais e da sociedade civil, com o desafio de elaborar políticas públicas para a mulher. "Tem sido difícil tornar o Conselho forte e representativo. Entre o que está escrito na Lei e a realidade, às vezes, há um hiato. Mas o trabalho conjunto do CODIM-Rio com a Comissão da Mulher tornará possível fortalecer essa contribuição à mulher carioca".


A superintendente das maternidades, Carla Lopes Porto Brasil, afirma que a distribuição das taxas de mortalidade refletem a iniquidade e o conjunto de situações que afetam a vida das mulheres. Embora o índice esteja diminuindo nos últimos anos, a taxa ainda é alarmante quando comparada aos demais países. A superintendente explica que a taxa de mortalidade é mais elevada em áreas com maior violência, evasão escolar e falta de assistência médica e social, a exemplo de bairros como Madureira, Maré, Santa Cruz e Bangu. O risco de morte na gravidez é 2, 7 vezes maior entre mães pretas, 2 vezes maior entre aquelas que só possuem o ensino fundamental e 2, 3 vezes maior na idade entre 40 e 49 anos. Carla ainda chama a atenção para as causas evitáveis de morte, como hemorragia e doenças agravadas no parto. Para prevenir mortes em decorrência de abortos, cerca de 9%, a superintendente defende a educação sobre sexualidade e métodos contraceptivos nas escolas. "Precisamos de mudanças no pré-natal e, anteriormente, quando a menina quer iniciar sua vida sexual. Precisamos ser instigados a pensar fora das caixas em que estamos, precisamos de uma educação que liberte", afirmou.


A integrante do Coletivo de Parteiras, Maíra Libertad Soligo Takemoto, destaca que 90% dessas mortes são evitáveis e que o índice do estado do Rio de Janeiro está acima da média nacional. Embora a taxa de mortalidade esteja caindo, somente no ano de 2015 morreram 1738 mães no Brasil, valor 3 vezes acima do considerado aceitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Maíra Libertad Soligo Takemoto chama a atenção para a disparidade entre regiões e grupos sociais no país e defende o fortalecimento do SUS como forma de atender adequadamente às mães mais vulneráveis.


A presidente do Adoulas Rio de Janeiro, Morgana Eleile, defendeu as doulas, profissão recente e criada para auxiliar as mães, oferecendo educação e suporte emocional, antes, durante e após o parto. Morgana Eleile afirmou que a municipalização dos hospitais Albert Schweitzer e Rocha Faria melhorou o atendimento da população da Zona Oeste e criticou a tentativa de devolução das unidades ao governo do Estado. No mesmo sentido, Luciene Lacerda, mestre em saúde coletiva da UFRJ e participante do Fórum das Mulheres Negras, criticou a tentativa de fechamento de equipes da saúde da família e o fechamento de escolas noturnas, causas indiretas da mortalidade.


A vereadora Luciana Novaes agradeceu a presença das palestrantes e destacou a necessidade de aumentar o diálogo entre a Câmara do Rio e o CODIM-Rio. "Não quero falar por vocês, mas com vocês aqui dentro", afirmou.


voltar topo

enviar por email gerar pdf imprimir   

ícone

Câmara Municipal do Rio de Janeiro
Palácio Pedro Ernesto
Praça Floriano, s/nº - Cinelândia - Cep: 20031-050
Tel.: (21) 3814-2121 | e-c@mara:

©2011 Câmara Municipal do Rio de Janeiro créditos estatísticas

Câmara Municipal do Rio de Janeiro
Palácio Pedro Ernesto
Praça Floriano, s/nº - Cinelândia - Cep: 20031-050
Tel.: (21) 3814-2121 | e-c@mara: